• Rofer Eventos

Setor de Alimentação Animal projeta encerrar 2020 em torno de 5% de crescimento


De acordo com estimativas do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), o resultado apurado pela cadeia produtiva de rações, contabilizado até setembro, registrou um crescimento de 4,7% comparado ao mesmo período do ano anterior. Mesmo com menor ritmo, após totalizar 5,2% ao final do primeiro semestre, o resultado ainda é surpreendente, com projeção de encerrar o ano mantendo crescimento de quase 5% e uma produção total de 81,1 milhões de toneladas de rações. O resultado é comemorado pela indústria de alimentação animal, levando em consideração o ano atípico e repleto de desafios impostos pela pandemia do novo coronavírus e que impactaram na economia global com a queda do PIB na maioria das grandes economias mundiais.

A cadeia produtiva resistiu aos efeitos da pandemia, chegando a atingir 5,2% de crescimento, durante o primeiro semestre do ano. Enquanto de julho a setembro, fora percebida alguma diminuição no ritmo. Muito embora, a relativa diminuição dos embarques para a China e, sobretudo, o corte pela metade do auxílio emergencial possam determinar menor ritmo, o maior desejo pela proteína animal por conta das ceias celebradas no Natal e virada de ano podem redundar em avanço de quase 5%, ou seja, na demanda de mais de 81 milhões de toneladas de rações e sal mineral.

“É importante salientar também que o elevado custo de produção, resultado do milho, do farelo de soja e outros insumos importados, com preços internos inflados pela desvalorização cambial, invariavelmente influencia o interesse por alojar e confinar, ou mesmo reter ou abater animais mais precocemente e descartar aqueles menos produtivos, combinações tentativas para contenção das despesas, diante da flagrante corrosão da rentabilidade e em comparação aos preços recebidos pelos produtores que comercializam carnes, ovos e leite, predominante ou exclusivamente no mercado doméstico”, analisa Ariovaldo Zani, CEO do Sindirações.

O período testou a resiliência da cadeia exportadora, principalmente durante as tantas incertezas nos meses de compulsório confinamento e rígida quarentena, conforme reforça Ariovaldo: “o bom desempenho do setor ao longo do ano, deveu-se também à capacidade de atender plenamente aos exportadores, favorecidos pelos competitivos preços do portifólio pecuário brasileiro no exterior, comprometidos com o suprimento dos clientes tradicionais e atentos às oportunidades internacionais alternativas”, diz.

A pandemia da Covid-19 ratificou que o ativo mais importante do setor é a pessoa humana, fato comprovado pela mobilização coletiva dos empreendedores, que não economizaram esforços na elaboração e implementação imediata de protocolos específicos para prevenção da exposição e contágio, na aquisição de EPIs, na orientação profissional aos colaboradores e suporte à saúde e tratamento das respectivas famílias.

Fonte: Avicultura Industrial