• Rofer Eventos

VIV RÚSSIA- Apex-Brasil completa 10 anos na Rússia


A comitiva da ABRA - Associação Brasileira de Reciclagem Animal- desembarcou em Moscou, na Rússia, e já está ativa na Meat & Poultry Industry Rússia 2021 (VIV Rússia). São mais de 300 empresas expositoras de 36 países. A presença do setor de reciclagem do Brasil é uma realização do projeto Brazilian Renderes, promoção ABRA/Apex-Brasil. Os associados da ABRA estão assistindo ao vivo direto do stand na feira. O Projeto Brazilian Renderers investiu na criação de estande e materiais promocionais personalizados – todos em russo. O espaço conta com o apoio de duas tradutoras, além de área destinada à videoconferência para o contato direto com o associado procurado pelo visitante do estande, atividades organizadas pela coordenação de Promoção Comercial da ABRA. Através desse espaço, com tecnologia para videoconferência, entrevistamos o gerente de operações da Apex-Brasil em Moscou, Almir Ribeiro Américo. O escritório da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos está completando 10 anos na Rússia com trabalho intenso de construção de mercados.

Na visão do gerente de operações da Apex-Brasil, a Rússia, no enfrentamento da pandemia, tem posições pragmáticas que permitem a realização com sucesso de feiras, dentro de todos os protocolos de cuidados com relação a COVID-19, o país conseguiu ser menos impactado e conta com a própria vacina. Esta estratégia de controle tem dado resultado para conter o problema.

“Neste momento o trabalho da Apex-Brasil se concentra em conviver neste cenário monitorando e explorando as oportunidades, atenta, embora os riscos estão longes de serem superados. Mas o papel da Agência é seguir promovendo os interesses brasileiros, enxergar as oportunidades na adversidade. Promover os produtos e as soluções brasileiras.”

Almir destaca ainda o trabalho estratégico da ABRA:

“Temos que aplaudir os parceiros pela persistência e mentalidade estratégica, pois existe uma restrição grande para visitantes brasileiros para entrar na Rússia. Mesmo tendo como exceção os eventos, mas para isso depende do promotor, do organizador da feira, que precisa ter disposição em fazer gestões junto as autoridades russas. No caso da VIV teve empenho de todos os lados, a ABRA articulou com todos os agentes, uma ação orquestrada: organizador da VIV, Apex-Brasil, embaixada brasileira e Adido do Brasil na Rússia.”

Marcar presença faz toda diferença, ajuda a viabilizar tudo o que estiver pendente para garantir as exportações. Interlocuções necessárias com potenciais parceiros. As incertezas da pandemia não permitiram que todos os agentes do mercado pudessem confirmar presença física no evento, mas a feira está surpreendendo e se mostrando viva e ativa.

“Comparando a Rússia com o resto do mundo, especialmente com a Europa, é como se fosse um outro planeta. Os eventos estão acontecendo onde em outros países tudo está interditado. É um fenômeno quase que exclusivo nesta região do mundo.”

Mercado desafiante, a produção russa local de proteína animal está crescendo significativamente a ponto de diminuir a importância estratégica da proteína brasileira. Por isso é importante o trabalho que a ABRA e os parceiros estão fazendo. Almir acredita que nesta parceria dentro do projeto Brazilian Renderes é a hora de seguir monitorando e estudando os nichos de mercado diante da crescente indústria da Rússia.

Esta persistência de conseguir fazer interlocução presencial mesmo diante das adversidades é uma atitude apreciada e valorizada na Rússia. O esforço que se faz pela presença em uma situação atípica, onde nem todos os concorrentes se dispõem a participar presencialmente, isso tem um valor agregado na Rússia. É um indicador de que o Brasil está querendo participar de uma maneira séria, presencial e de construção de um mercado sólido para os produtos da reciclagem animal.

Umas das qualidades do escritório da Apex-Brasil em Moscou é prospectar oportunidades de negócios como sendo percebidas no Brasil. Uma região que precisa ser decifrada pelas empresas brasileiras. “ Pelos códigos de negócios, questões culturais, práticas de um mercado exótico. A interlocução presencial minimiza os obstáculos e as questões de certificação vão sendo superadas.” Finaliza o gerente de operações da Apex-Brasil em Moscou, Almir Ribeiro Américo.

Fonte: Assessoria de Comunicação ABRA